Blog

Fique por dentro dos assuntos

Mitos e verdade sobre a correção do fator de potência
23
nov

No ramo da eletricidade, o fator de potência tem extrema importância. Esse fator nada mais é do que uma medida de quanto da potência elétrica que está sendo consumida por um objeto, está de fato sendo convertida em trabalho útil e sendo usada para promover energia.

Em termos mais técnicos, fator de potência é a relação entre energia ativa e a energia aparente (junção da energia reativa e ativa – a energia reativa é aquela não produz trabalho, mas produz fluxo magnético e a energia ativa é a que de fato produz trabalho) de um circuito.

Para ser compreendido de maneira mais clara, um alto fator de potência significa uma eficiência alta no uso de energia e um baixo fator, uma eficiência baixa. As principais cargas que causam uma baixa potência, por exemplo, são as mais utilizadas pelas pessoas no dia a dia, como uma lâmpada fluorescente, transformadores sem carga ou pouca carga, motores de indução etc.

Cobrança de multa

Segundo a Legislação Brasileira, esse fator tem uma quantidade mínima para a cobrança das contas de energia de locais fixos de 0,92. Abaixo disso, a empresa de energia responsável deve cobrar uma multa na fatura de energia para que esse valor seja coberto.

Para que esses aparelhos tenham uma compensação de energia, algumas dicas podem ser aplicadas para uma melhor recuperação. Antes de qualquer coisa é necessário um medidor de energia para saber se, de fato, a carga está mesmo baixa.

A partir disso, pode ser iniciada a instalação de um banco capacitador no equipamento que está apresentando uma potência. Após isso é inserida uma carga capacitiva para que se compense essa falta de energia do aparelho. Tal técnica ajuda a evitar a aplicação das temidas multas desnecessárias.

Alguns mitos e verdades sobre a correção do fator de potência

Muitas pessoas acreditam que os capacitadores de energia queimam em dois anos. Isso é um dos mitos mais comuns de quem procura corrigir o fator de potência de um aparelho.

Os próprios fabricantes informam que esse aparelho possui vida útil de 15 anos se forem usados de maneira correta. A temperatura ambiente não adequada para o armazenamento, sobretensões entre outros fatores são motivos para gerar menos tempo de funcionamento.

Outro mito recorrente é pensar que partidas de motores consomem muita energia e geram aumentam de energia. Porém, a energia ativa consumida nesse intervalo, não gera quase nenhum impacto no consumo da mesma.

Para se levar como verdade para a correção, a localizada é a mais eficiente (existem as correções de na entrada de energia de baixa tensão e na de alta tensão, mista e a por grupos de cargas). Isso porque ela reduz as perdas energéticas em todo o aparelho; gera potência reativa só onde é necessário, não se utilizando da energia reativa de maneira incorreta; e diminui a carga nos circuitos de alimentação do equipamento.

Para realizar algum tipo de serviço em solução elétrica ou automação, ligue para nosso telefone: (62) 3945-2200 e converse com algum dos nossos consultores especializados.

Relacionados

NEWS LETTER

Cadastre seu e-mail e receba notícias e novidades